EXHIBITIONS‎ > ‎

O Muro da Memória

Exhibition O Muro da Memória [The Wall of Memory] (1987)


Oil on canvas  100 x 80 cm | 120 x 80 cm


Exhibition

1988 O Muro da Memória, Árvore, Porto 


Bibliography

José Luís Porfírio, "Prefácio" (*.pdf)


"O percurso do pintor tem sido muito rápido, na transformação e na coerência, na perturbação que brota do próprio seio da matéria pictural. Ele passa em muito poucos anos, do micro registo sensível e lírico (guache), aos encantos matéricos do óleo, a uma gramática de sinais que não escondia uma convulsão, da e na matéria, a uma pintura em negro e gris, extremamente arquitectónica que foi mostrada há menos de um ano.
Que acontece agora?
Da arquitectura quase que não sobra o espaço, antes o muro num afrontamento físico com o olhar e o corpo. No muro inscrevem-se (ou sobrevivem?) fragmentos de sinais e esboços de espaços que começam a construir um possível futuro.
Olhemos bem estas superfícies; nelas veremos muito trabalho, coberto por uma grave camada escura num sistema que, ocultando, não se nega à memória do já feito. Transparências e volumes, são outras tantas memórias, são o registo presente da transformação em acto.
É isso! Quanto mais necessária mais transformadora é a pintura. Primeiro na consciência do pintor que recorda antigos suaves encantos, depois na nossa própria consciência de espectadores interessados, de cúmplices ou de amigos, depois...
O muro da Memória tem a cor da Meditação, ele pede silêncio e não palavras enquanto a mudança acontece, está acontecendo aqui e agora, diante dos nossos olhos. Possam eles VER!"
(José Luís Porfírio, “Prefácio” in desdobrável da exposição ”O Muro da Memória”, Árvore, Porto, Novembro de 1987)   


"The course of the painter has been very rapid, in transformation and coherence, in the disturbance that springs from the very bosom of pictorial matter. It passes in a very few years, from the sensitive and lyrical micro-register (gouache), to the material charms of oil, to a grammar of signs that did not hide a convulsion, from and in matter, to a black and gray, was shown less than a year ago.
What happens now?
Architecture almost does not have space, but the wall in a physical confrontation with the look and the body. In the wall are fragments of signs and sketches of spaces that begin to construct a possible future.
Let's take a look at these surfaces; in them we will see much work, covered by a grave dark layer in a system that, hiding, does not deny the memory of the already made. Transparencies and volumes, are so many memories, are the present record of the transformation into action.
It is! The more necessary the more transformative is the paint. First in the conscience of the painter who recalls old gentle spells, then in our own consciousness of interested spectators, accomplices or friends, then ...
The wall of Memory has the color of Meditation, it asks for silence and not words as the change happens, it's happening here and now, before our eyes. May they SEE!"
(José Luís Porfírio, "Preface" in unfolding of the exhibition "The Wall of Memory", Tree, Porto, November 1987)